"Eu não escrevo poesia, não escrevo poema. Eu só desnudo minha alma." Fátima Amaral

sábado, 2 de junho de 2012

Palavras em silêncio


De momento persigo umas palavras
Poucas.
Mas, muitas me falam

Quando se calarem
As deitarei aqui,
Na ponta da língua.

Assim
De algumas delas
O que quero
Apenas seu silêncio.

12 comentários:

Rogério Pereira disse...

São sempre menos as palavras queridas
que aquelas que nos querem

No silêncio, usaremos todas

O Profeta disse...

Um sótão cheio de lembranças
Escrevi no pó palavras sem nexo
Retirei uma cartola de uma caixa de cartão
E senti ao toque o poder da ilusão

Ilusões…
Um cavalo de pau perdido ao carrocel
Uma estola de um bicho qualquer
Uma escultura talhada a cisel

Uma foto a preto e branco
De uma mulher sem rosto
Uma janela virada para nenhum lado
Uma traquitana a imitar o sol-posto

Bom fim de semana

Mágico beijo

Ana Martins disse...

Fátima, boa noite!
Às vezes basta-nos o silêncio de algumas palavras.

Beijinho,
Ana Martins

AC disse...

Fátima,
Há palavras que só atingem o esplendor no silêncio.

Beijo :)

Cristiano disse...

O silencio das palavras é o ouvir?
ou a cumplicidade de nao precisar falar?

Lufe disse...

A algumas palavras, que insistem em nos perseguir, talvez nos seja mais interessante o deixar-las latentes,
trazendo somente à ponta da lingua aquelas que nos dão prazer.

Parabens, até mesmo da falta de palavras escreves divinamente teus poemas.

bjos procê

EDER RIBEIRO disse...

E mesmo silenciosas, elas persistem em nos falar, pois delas sabemos o significado. Bjos.

. intemporal . disse...

.

.

. de momento . defende.se a plenitude do belo . a coroar a palavra onde acontece a poesia .

.

. um beijo meu .

.

.

Mik disse...

silêncio é palavra em perfeição

Lilá(s) disse...

Gosto do poema mas, adoro o novo visual do blogue!
Bjs

Lily disse...

Palavras des- esforçadas... Há esforço, mas também o tempo da fluidez.

Suzana Guimaraes - Lily

Giancarlo disse...

Buona domenica, un felice inizio settembre per te...ciao