"Eu não escrevo poesia, não escrevo poema. Eu só desnudo minha alma." Fátima Amaral

terça-feira, 6 de março de 2012

Folhas

Eu sou árvore
Eu não tenho asas
Eu não vôo
Voam minhas folhas
Que se desprendem
Me desnudam
Assim ao sabor do vento
Eu não viajo
Eu habito
Eu protejo
Alimento e observo
À minha sombra
O mundo se passa.

Mas não sou anjo
Não tenho asas
Sou folhas
Do sol ao orvalho
No repouso com a lua
Na viajem das águas
A minha distância é longa
Percorro o chão
Em muitas direções
Decerto são minhas linhas
Longas distâncias
Percorro silenciosa assim
Busco água
Mato sede
Dou sombra
Permito uma rede
Uma visão de um horizonte
Sem fim.

Mas não vôo
Não tenho asas
Sou árvore
tenho folhas
E bem verdade
Elas voam
E nelas...
Nelas somente escrevo
E vão assim
Voando com minhas palavras.

14 comentários:

EDER RIBEIRO disse...

Fátima, como eu lhe admiro, a forma como vc conduz o poema, as suas metáforas, tudo enfim, digno das maiores poetisas. Bjos, minha querida.

Michele disse...

E que as folhas continuem a voar e trazer-te inspiração, Fátima.

Um beijo

Mik disse...

As folhas me lembraram tantas indas e vindas, tantas vidas vividas. Folhas e folhas, ao vento sereno, ao ar agitado ...
Sopros de luz...
Bjs

Dilmar Gomes disse...

Vou redundar, mas, às vezes, a redundância diz melhor aquilo que sentimos. Então, digo que que este poema é profundamente poético.
Um abração.

Rogério Pereira disse...

Gostei de ti
árvore de folhas que voam
As minhas
as folhas
as palavras
não me largam
(dizem ser de folha persistente)
como se fossem... gente

Alê disse...

A maravilha de ser folha, é que vez em quando a gente se deixa ir, pelo sabor do vento,


Bjkas

Carla Fernanda disse...

As palavras ganhando asas na poesia...
Beijos Fátima!!

A VIDA É UM ETERNO APRENDIZADO disse...

Olá!
É com grande prazer que sigo seu blog.Adorei seus poemas,suas imagens.
Grande abraço
se cuida

Lilá(s) disse...

As tua poesia é sempre linda! é tempo de árvores sem folhas, elas se deixaram ir, em breve brotaram de cores frescas. leves como as tuas palavras.
Bjs

Lily disse...

Parabéns por teus poemas! Eu os ouvi na voz do Luiz Fernando Rocha, o Lufe, e me deixei levar.

Um abraço,

Suzana/LILY

Evanir disse...

Dia 08 de Março, dia internacional da mulher.
Dia de quem começou menosprezada, sem voz, sem vez,
Dia de alguém que, talvez,
Nem se sentisse digna de um dia ser homenageada.
Não apenas como esposa e mãe, Como mulher!
Como ser especial,
de múltiplos dons e milagres.
O milagre do multiplicar.
Um Feliz Dia Das Mulheres.
Beijos .
Evanir.

Cronollogias disse...

Fátima, teu poema tem a beleza de ser o que tu és, ou como te reconheces enquanto escreves. Isso, aos que te leem se traduz em encantamento.

Saudações!

Cristiano Marcell disse...

Palavras nos permitem voar! Concordo com você, prezada amiga!

Muita paz!

Alle Nascimento disse...

belas folhas...