"Eu não escrevo poesia, não escrevo poema. Eu só desnudo minha alma." Fátima Amaral

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Fecundação

Êxtase...
Na minha, na tua mente imprudente.

Meu olhar no teu olhar.
O que interessa e o ardente,
Sorrir, ficar contente.

Meu tato com o teu calor,
Pudor?
Despudoradamente.

Meu olfato com o teu odor,
Inconseqüente,
Latente e urgente.

Meu gosto com o teu sabor,
Semeia-se a semente.
Nova vida novamente.

7 comentários:

Tere disse...

oi fatima,que bonito poema.amei,beijos tere.

Helen De Rose disse...

Olá Fatima, gostei do seu estilo poético, seu blog está muito bonito, bastante sorte e sucesso pra você! Incentivando daqui....bjo.

AC disse...

Sentimento, entrega, partilha...
Gostei muito!

Beijo :)

Ingrid disse...

Querida, passando e lendo sempre..
fecunda de palavras,de amor e sentimentos sempre..
um beijo.

jocarlosbarroso disse...

Por um tempo longe, porém é hora de fecundar, voltei...
Parabéns Fátima
Envolvente e precioso.
Abraços
JoCarlosBarroso

Mgomes - Santa Cruz disse...

Olá Fátima: Lindo poema, no amor não há pudor nos nos abrimos de coração e alma a esse lindo amor.
Beijos
Santa Cruz

Valéria Sorohan disse...

Nesses meus cliques pela net a fora parei aqui. Encantada. Pedra preciosa, moça. A sua poesia!


BeijooO*