"Eu não escrevo poesia, não escrevo poema. Eu só desnudo minha alma." Fátima Amaral

domingo, 18 de julho de 2010

Metade

Onze anos de distância.
Onze anos de saudade.
Onze anos de aprendi a ser só.
Onze anos de não me sinto solitária.
Onze anos de estou bem, não se preocupem.

Onde carreguei os onze anos?
Nos onze anos de ombro.
Nas onze cruzes carregadas.
Mas também nos onze anos
De novas estradas.

Horas de dores minha?
Milhonésima de milhão e mil.
Sem esquecer centésimos,
Segundos, minutos e algo além das
Vinte e quatro horas.

Horas que me conformei?
Zerocentos e zerenta e zero.
Qualquer décimo abaixo da escala,
Figura o tempo de sentir
O dor de onze anos.
Quem dera a distância,
Fossem apenas oceanos
Mas ok me conforto.
Sobrevivi, vivo e rio.

Onde andei, importa.
Foi dolorido; mas...
E exatamente aí que está
Um dos segredos das portas abertas.
As portas da alma.

Aonde chego é o que vale
Agora vejo novamente
Rios vales, e muito além deles
É o que mais vale.

Sem a intenção de ser dramática,
Mas apenas de dizer:
Dói; e “a” dor... dói muito.
É fato.
E muito menos melodramática,
Mas há a beleza do amor.
Apesar de trágico
Amo! Além da morte.

Apesar de não compreender,
Agradeço,
De sempre e ainda amar
Então tá. Aceito.
Que seja assim até
Infinitamente infinito fim.

18 comentários:

Fátima disse...

Bem.. já escrevi muitos poemas, textos relatanto a minha dor pela morte do meu marido, mas todos me pareceram sempre tão sofridos, tão "a não gostei". Nunca postei.
Mas sentia a necessidade de dizer isso, de falar dele, homem de vivacidade, de alegria pela vida, rara.
Não sou romântica, não sei escrever sobre amor ser rimar com dor. Mas garanto aos discrentes desse sentimento, o quando ele é real ultrapassa a morte, não duvide.
Não dá pra ser inteira, isso não dá. Não se passa impune por algo assim. Mas sou sempre verdadeira e
sou feliz vivo novamente e não aceito o "coitadinha", odeio isso..rs. A vida é linda, é curta, e não da pra ficar lamentado.

Beijos meus à todos.

Eraldo Paulino disse...

eu sempre comento quando leio postagens desse calibre que é muito complicado elogiar um poema que carrega consigo a responsabilidade de representar uma fração de um sentimento tão forte.

O poema é lindo, e entendo o que dizes, sobre o poema ser um retrato momeentâneo, uma fração de tudo isso que está no teu coração.

bjs, Fátima!

Tere disse...

oiiiii,fatima que lindo poema!que saudade bonita.parabens menina!!!bju tere.

ƸӁƷBeautiful Butterfly WomanƸӁƷ disse...

QUE POEMA LINDOOOOOO!!!!AMEI O TEXTO!!!AMIGA VC.ARRASA EM SEUS ESCRITOS...DESEJO A VC.UMA SEMANA ILUMINADA DE COISAS BOAS!!BEIJOS MEUS!!!

João Videira Santos disse...

Um caminho de palavras onde a voz permanece no sentido vivo de quem se afirma no que é, no que sente.

Luciana por Luciana disse...

Oi Fatima

Lindo texto e colocar para fora os sentimentos é muito bom e importante teu marido foi especial e merece ser lembrado assim tudo passa na vida menos a morte infelizmente.

Grande beijo e obrigada pela visita sempre bem vinda

Cria disse...

Palavras impecáveis e extremamente belas, verdadeiramente !! Beijo carinhoso !

pablorochapoesias.com disse...

Belíssimo! Intenso como nunca!
Adorei!

Socorro disse...

Onze anos? Uma vida, né amiga? - E eu que vivi 17 anos. Apesar de que não ser compreendida, também agradeço.
Muito bom seu texto, me fez lembrar de tantas coisas.

Beijos...

Sonhadora disse...

Minha querida
É uma dor grande de certeza, por isso não tenho palavras.
Apenas deixo um beijinho

Sonhadora

:: Mari :: disse...

Menina que lindo!!
Apesar da dor, o amor é além de tudo.
Muito verdadeiro: Mas há a beleza do amor. Apesar de trágico amo além da morte.

Sem mais comentários.

Bjos

Hod disse...

Olá Fátima,

Amigo é casa, calor, acolhimento!!

O Tempo que passa não envelhece a lembrança de bons momentos,... é memória....

Feliz Dia do Amigo,

Forte abraço.

Elzenir Apolinário disse...

Saudade e distância incomodam, mas apimentam o amor. Lindo poema. Feliz dia do amigo. Bjs

Nilson Barcelli disse...

Um belo poema de amor, mesmo sabendo da ausência física do amado.
Belíssimo, querida amiga.
Gostei de a ver ser verdadeira com sentimentos tão bonitos após 11 anos. Ele também deve ter gostado, porque a está a observar lá do céu.
Beijos.

AC disse...

Vivemos de convicções, vivemos do acreditar...
Foi um percurso e tanto, Fátima! Ainda bem que a sua crença se mantém viva.
O seu poema tocou-me.

Beijos.

legalmente loira... disse...

PRA VOCE O MEU CARINHO

Queria dizer que eu poderia pegar
uma mensagem qualquer e te enviar, mas preferi colocar algumas palavras
para VOCE que é a pessoa que me faz bem, esta presente nos meus dias
bons e ruins e me faz companhia através dessa tela.

Chorei com
algumas histórias, chorei de tanto rir, fiquei triste com partidas, mas
sou mto feliz com VOCE que me deixa fazer parte da sua vida e divide
comigo seus momentos.

Muito Obrigado por sua confiança, sua
amizade...
Receba sempre meu Respeito, Carinho e Atenção. Gosto mto
de VOCE.

FELIZ DIA DO AMIGO

Bjo carinhoso..
fátima querida,
lindo e do geito que gosto intensooooooo...você é diva......

. intemporal . disse...

.

. acreditar . que seja a prece de todos os dias,,, en.quanto os dias são dias para viver .

.

. bel.íssimo .

.

. um beijo meu, .

.

. paulo .

.

Raquel de Carvalho disse...

Que lindooo, Fátima! Me lembro qndo escrevi sobre morte lá no blog e vc me contou já ter vivido isso! Muito triste, eu imagino!

Mas seu texto eu achei um espetáculo, lindíssimo!
"Amo! Além da morte"> isso então, é de arrepiar!!!

Beijos