"Eu não escrevo poesia, não escrevo poema. Eu só desnudo minha alma." Fátima Amaral

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Estreitos

Havia um veio de rio
Entre aquelas colunas.
Havia uma fina veia
Entre as lacunas.

Havia noites eternas
Sem dias.
Dias que eram noites
Constantes.

Pensamentos vagos
De meras vogais e consoantes.

Havia um espaço
Menor que o desejado,
Fazendo com que sentisse
Pés e mãos calejados.

Apertar-se entre os apertos
Era preciso.
Nesse fluxo resumido
Sem noção e sem sentido.

E não havia outro jeito, senão,
esperar esses estreitos
Bombearem sangue no peito.

20 comentários:

Luna Sanchez disse...

Havia o vazio, nem sempre desejado.

Gostei muito.

=*

Malu disse...

Agradeço seu carinho e atenção e venho para este espaço a acompanhar suas atividades também.
Abraços

Eraldo Paulino disse...

Este poema, mais do que os outros, para mim pareceu honrar o título do blog. Nossa, quanta intensidade!
Bjs!

ॐ Shirley ॐ disse...

Às vezes , os nossos dias se transformam em longas noites, mas, a vida continua, Fátima. Bonito poema. Tenha um dia alegre. Beijos!

EDER RIBEIRO disse...

Percebo muita intensidade nos seus escritos. Bjos.

Rogério Pereira disse...

Esperar não é saber
O sangue que chega aos nossos peitos
não admite esperas de estreitos
È urgente dar sentido e noção
aos fluxos que passam pelo coração

Um poema basta. Talvez este.

A.S. disse...

Fátima,

Quanto mais estreito
for o leito
mais impetuosa é a torrente
que corre no teu peito!

Beijos,
AL

Lufe disse...

Muito bom!
Intenso....

bjos

Michele P. disse...

Tão lindo...
Gosto de ler seus poemas em voz alta, Fátima. Eles acalmam, iluminam, me fazem bem.

:)

Um abraço

Djalma CMF disse...

Gostei da sua forma de expressão, delineou momentos lânguidos com maestria, isso, sim, é uma poesia de verdade. Parabéns jovem, já estou lhe seguindo, bjos.

Vivian disse...

...de estreitos
só gosto de abraços...rsrs

bjokas, coração poético!

Thiago Quintella de Mattos disse...

Eita peosia!!!

Carlos de Thalisson T. Vasconcelos disse...

(Por acaso, eu encontrei o seu blogspot. Espero que possamos compartilhar deste vasto universo chamado literatura.)

http://cdethalisson.blogspot.com

"Apertar-se entre os apertos
Era preciso."

Você é intensa.

Carlos de Thalisson T. Vasconcelos disse...

Seguindo.

Ana Martins disse...

Lindo, Fátima!

Beijinho,
Ana Martins

Sonhadora disse...

Minha querida

Como sempre intensos os teus poemas...arrancados do mais profundo da alma, adorei e deixo um beijinho com carinho.

Sonhadora

Valéria Sorohan disse...

Muito intenso e delicadas as suas palavras. Ficou lindo. E se a intenção for tocar alguém, funcionou demais comigo.
Seu blog está um espetáculo.

BeijooO*

Carlos de Thalisson T. Vasconcelos disse...

Noites eternas sem dias, dias eternas sem noite: um choque de eternidades no plano cósmico-universal - eis a existência humana, minha doce poetisa.

Lilá(s) disse...

Muito lindo e intenso este poema!
Bjs

Ingrid disse...

força de sangue e águas nos teus versos querida..
beijos ..