"Eu não escrevo poesia, não escrevo poema. Eu só desnudo minha alma." Fátima Amaral

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Única(s)

Apesar de
meu olhar introspectivo
com o mundo.
Sou tantas.

E nesse ser, de tantas,
Preciso me espalhar
De forma bela, torta,
certa, errada,
de mentira, de verdade
Não importa.

Apenas sentir-me; vale.
E são nelas
Nas palavras
Que me jogo

Ben vindas
Tantas vezes ditas.
Dito os mesmos
sentimentos meus.
E sempre tão diferentes.

Assim como os arrepios,
Que a cada vez me parecem
únicos.

Transparecer-me.
Para ser!
Sim.
Senão alguma de mim
Me mata.

24 comentários:

Zélia Guardiano disse...

Lindo,Fátima!
Tudo lindo: o poema e o espaço...
Grata pela amável visita!
Abraço preenchido de carinho

olhar disse...

o mais importante é : SERMOS.


beijois com carinho,

Bia

Pri disse...

Olá Fátima,boa tarde!
Você este ausente por um tempo, é bom poder ler seus Poemas lindos novamente.
Beijosss da Pri.

Lufe disse...

Oi Fatima,

Existe uma palavra, hoje muito em moda, que sintetisa o seu sentimento.
Resiliência.
A gente é tantos na vida, de acordo com os humores e as circinstancias...
E a gente sobrevive, "sendo".

bjo

Vivian disse...

...maravilha de post!

és uma linda entre todas.

bjs, querida,
e obrigada pelas palavras
carinhosas lá em casa.

Sonhadora disse...

Minha querida

Somos sempre tantas...vestimos e despimos a dor e o cansaço querendo vestir o amor.
Como sempre lindos os teus poemas.
Agradeço as palavras carinhosas que me deixas-te.
E...eu não escrevo...ESCREVO-ME.

Beijinho com carinho
Sonhadora

Daniel Costa disse...

Fátima

Obrigado pela visita e palavras.
Sem mais, achei lindo o teu poema. Que o nosso mundo bloguista não seja privado de poesia como a tua!
Beijos

Dilmar Gomes disse...

Fatima, gostei do teu jeito de trabalhar a palavra. Para mim, o poeta é um ourives a lapidar o vocábulo. Estou feliz por estares seguindo o meu espaço.
Virei aqui, apreciar a tua arte, sempre que puder.
Um grande abraço. Também te sigo.

josemfmarinho disse...

Ser é transparecer; as máscaras impossibilitam a essência. Será necessário fingir para viver? Esta uma questão para os tempos que correm. Adorei o poema. Tudo de bom.

MOISÉS POETA disse...

Oi Fátima , querida !
que bacana ler-te , seus escritos são de muito boa qualidade.

Por favor , me diga : você mandou-me email por esses dias ?
tive problemas com minha caixa de entrada que estava dando erro.
fiquei curioso , me diz para qual email mandou-me mensagem...tenho 2 emails.

Beijo grande !

MOISÉS POETA disse...

Ah ! querida ...!
acabei de abrir meu email .
so agora pude ler sua mensagem , passei um mês sem poder abri-lo , por falta de tempo e por ele estar mesmo com problemas. em breve farei contato contigo via email . será um grande prazer interagir com você .

Bj

EDER RIBEIRO disse...

Fatima, adorei te ler, já estou seguindo. Bjos.

psixani disse...

Como ser uma só por fora se por dentro existem tantas? Lindos versos!
Beijos!
http://psixani.blogspot.com/

Andre Martin disse...

gosto do jogo de palavras,
das palavras que você se joga.

A "única" mente,
unicamente,
na única mente.

Ricardo Miñana disse...

¡precioso poema!, es un placer
pasar a leerte.
feliz fin de semana.

Lilá(s) disse...

Linda esta maneira de jogar com as palavras!
BJS

ONG ALERTA disse...

Belas palavras, beijo Lisette.

Ana Martins disse...

Brilhante!!!

Beijinho,
Ana Martins

psixani disse...

Oi, Fátima!!
Obrigada pela sua visita! Saiba que você é sempre (SEMPRE!) bem-vinda no meu cantinho. Ótima semana, flor! Beijos!

olhar disse...

saudades de ti, minha lindona!

Espero que esteja tuda na santa PAZ!

beijocas em seu coração!!!!

Bia

Malu disse...

Goste de passar hoje por aqui e ler suas palavras cheias de sensibilidade! Abraços

Ingrid disse...

lindas palavras em versos teus.. únicos..
beijos de carinho linda..

Elzinha disse...

Oi Fátima, passeando por aqui e me deliciando com tudo que vejo.
Um grande beijo

Halifas Quaresma disse...

Uma construção e uma desconstrução constantes.

Perfeito ler tudo aqui.