"Eu não escrevo poesia, não escrevo poema. Eu só desnudo minha alma." Fátima Amaral

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Preciso do que há em mim...

Mudo meus caminhos
Me desfaço do teu sorriso
Ele não me faz sentir possível.

Aquieto-me em silêncio,
Escrevo nas paredes
O que penso.

Piso em chão não mais incerto.
Gosto do gosto do sentir, do verbo
Meu lugar me cabe,
Não são mais ocos os ecos.

Há no espelho imagem
Vejo de céus mensagem
nasci em mim, parto demorado,
tempo necessário.

Nos passos que sempre andei
Foram somente os meus números
que procurei.

Encontro-me,
E me digo...
Eu preciso do que hoje há em mim
Como nunca precisei antes.

14 comentários:

Lufe disse...

Oi Fatima,

Como sempre, gostei muito!
quando a gente nos reinventa, descobre tanta coisa de bom que ytemos guardado e isso nos fortalece.
O mais delicioso desta redescoberta é saber que estamos realmente vestindo o numero que nos cabe.
Adorei seu poema.

Beijão procê

Juliana Matos. disse...

Oi querida, que palavras lindas, me vi nelas também! Precisamos sempre de nós e de alguém completo, inteiro que compreenda cada vez mais os nossos sentidos!
Bonito!
beijos
JU

Michele P. disse...

Fátima

Muito bonito.

Precisamos de novas roupagens, mas sem abandonar o corpo anterior. :)

Um abraço

Elzinha disse...

Fátima, que poema lindo! Isso é a nossa construção. Perfeito.
Um beijo

Lilá(s) disse...

Um linda mensagem me chegou neste poema, revi-me um pouco nele.
Bjs

. intemporal . disse...

.

.

. dão.se alvíssaras às sílabas na composição do silêncio .

.

. onde a poesia . a Sua . é e será sempre palavra mayor .

.

. um bom fim.de.semana .

.

. um beijo meu .

.

.

EDER RIBEIRO disse...

Não são mais ocos os ecos. Um grito que viceja, ecoa; qtos imagens podem conter nesse versos. Bjos.

Luna Sanchez disse...

Das inteirezas.

Tão familiar, Fátima, preciso, forte, bonito demais.

Ô, delícia ler essa mulher!

=)

Beijo, flor.

Carla Fernanda disse...

Somos caminhoa traçados e lançados como semente.
Beijos e boa semana!!

O Profeta disse...

Senti nos pés o pulsar da ilha
Um farol avisa o longe do perto
A lava encoberta na costa dormente
Sete rumos e apenas um certo

Neste Mar senti a vontade de prantear
A nudez da noite no encontro do silêncio total
Encobriu meu pranto das estrelas
Uma zombeteira Lua marcou no dia o encontro final

Mágico beijo

Rafael Castellar das Neves disse...

Nos perdemos todos os dias de nós mesmos...isso é fácil...mas nos encontrarmos é o complicado...gostei!

[]s

Andre Martin disse...

Como tu,
eu também preciso.

Camilledistler;* disse...

ooie, liinndo blooog =DD
estou seguindo, e voce me segue?

http://camilledistler.blogspot.com/
beeijos, e que a felicidade te acompanha para sempre..a cada segundo.

▒▓█► JOTA ENE disse...

ººº
Boa poesia ...