"Eu não escrevo poesia, não escrevo poema. Eu só desnudo minha alma." Fátima Amaral

sábado, 22 de maio de 2010

Inexistência


Num olhar que pouco via,
No susto de perceber, a vida
num quadro dependurada.

Acordou com um resto de noite
Que pairava ainda no quarto
Brigando com o dia.

Pela janela vazia,
Viu que o horizonte oprimia.
Ensaiou levantar, desistiu.

Para andar, nenhum passo havia.
Era só uma sombra...
Que mal sabia que existia.

13 comentários:

Hamilton H. Kubo disse...

A sombra que se levantou sozinha.
Pois o corpo inerte, ainda o sono resistia.

Adorei!

Beijos!

Mila disse...

Quando a noite briga com o dia que chega é sinal de dor intensa...
Bela poesia!
Bjs
Mila

Nilson Barcelli disse...

Fátima, obrigado pela tua visita.
Já vi que tenho boa pesia no teu blogue para ler. Vi três ou quatro e gostei. Depois volto para ler mais.
Beijo.

:: Mari :: disse...

Fátima, você uma sensibilidade incrivel ao escrever suas poesias, com uma profundida que toca.

Adorei a poesia!

Tenha uma linda semana.

Bjos

Maria Luisa Adães disse...

Fátima

Amei o encontro.
Te vim visitar.
Não trouxe muito tempo,
apenas o meu tempo
e adorei a sensibilidade
de teu poema

e essa luta, entre a Noite e o Dia
Como a luta entre o Bem e o Mal.

Obrigada pelo meu poema "Realizar".

Beijo,

Maria Luísa

Nini C . disse...

muito lindo o texto, obrigada pelo carinho pelo meu blog, otima segunda pra voce, beijooos ...

mundo azul disse...

________________________________

Seu poema é bonito, seu blog é bonito... Gostei daqui!

Obrigada, pela visita, que me deu a oportunidade de conhece-la!


Beijos de luz e o meu carinho...

________________________________

poesias jocarlos barroso disse...

Escreves muito bem, gosto de ler suas poesias, em sintese você descreve o mundo.Nesta descreves com beleza a luta da noite com o dia. Quato a andar somente a sobra isso caberia!
Parabéns.
Bjs!

Pontos de Ligação disse...

AS vezes, as tristezas, as frustações, a desesperança... Tudo parece tão vivo e gritante, que perdemos as forças, e tudo que sentimos é um forte... cansaço!

Adorei a poesia, mesmo!

legalmente loira... disse...

fátima,
obrigada pelo carinho!
sua poseia é linda e seu blog encantador.
otima semana com bjos.

Rafael Castellar das Neves disse...

Praticamente uma sombra rala...e um corpo definhado..."inexistente"...toda a razão!!

[]ss

Michele P. disse...

Fátima
Você tem a maestria do artista e a sensiblidade do poeta.
Belo poema!


PS: Obrigada pelos comentários e pela visita em meu blog. Volte sempre, você é bem-vinda.

Beijos

Talles azigon disse...

num olhar que pouco via

ah como o começo do poema me prende

principalmente quando ele é belo desse modo